Arquivo da tag: Impostos

Nos Endividamos pelo Salário Bruto, mas Pagamos com o Salário Líquido

Você já deve ter ouvido em alguma instituição financeira que o máximo permitido para que uma pessoa se endivide com, por exemplo, um financiamento imobiliário é de 30% de seu salário. O que normalmente não é explicado é que essa porcentagem acaba sendo, na prática, maior que 30. Por que isso acontece?

O salário que é considerado em análises de crédito é o bruto e o pagamento das parcelas acaba ocorrendo pelo salário líquido.

Salário bruto é aquele registrado em carteira de trabalho, é o seu salário integral, ainda sem nenhum tipo de desconto. Exemplo: recebi uma proposta para receber R$4.000,00 registrados em carteira de trabalho, esses R$4.000,00 são seu salário bruto.

Salário líquido é aquele valor no qual já foram descontados os impostos e contribuições devidos, como por exemplo, o INSS, o Imposto de Renda, a contribuição sindical ou assistencial entre outros. Exemplo: para o mesmo salário de R$4.000,00, segundo o site Calculador, o valor a ser recebido já descontados os impostos seria de R$3.380,80.

cálculo salário

Clique na imagem para amplia-la. Fonte: Calculador

Quando uma pessoa vai a uma instituição buscando um financiamento o cálculo feito é que a parcela máxima que a pessoa pode pagar é de 30% de R$4.000,00, ou seja, R$1.200,00, mas como o valor que efetivamente a pessoa recebe é de R$3.380,80 esses R$1.200,00 representam aproximadamente 35,5% do salário líquido.  35,5% = (1200 / 3380,80) x 100.

O endividamento é de aparentemente 30%, mas acaba sendo efetivamente de 35,5%.

Se fossemos considerar apenas o salário líquido a parcela máxima a ser assumida, neste caso, poderia ser de R$1.014,24. R$1.014,24 = 30% x 3.380,80.

Assumir uma dívida extensa como um financiamento imobiliário, que pode chegar a 35 anos, sem ter esses números claros pode ser realmente perigoso. Eu acredito estar pagando um tanto do meu salário quando na verdade estou comprometendo mais do que parece.

financiamento imobiliário

Essa diferenciação entre porcentagens de salário bruto e líquido não envolve só a parte de financiamentos. Você já ouviu algum consultor financeiro dizendo para as pessoas guardarem 10% de suas rendas? E aí, você deve guardar 10% do salário bruto ou líquido?

E no caso de contribuições que fazemos em prol de instituições de caridade, igrejas, templos etc. Devemos considerar o salário bruto ou o líquido para calcular essa contribuição?

Minha recomendação é que você utilize o valor que efetivamente entra em sua conta para não acreditar que esteja contribuindo ou pagando menos do que realmente está. Suas finanças agradecem.

Abraços!

Lucas Madaleno

Qual a Importância da Declaração de Imposto de Renda?

A partir do dia 02 de Março foi liberado o envio das declarações de ajuste anual de Imposto de Renda (IR) de pessoa física. Desse dia em diante até o final de Abril temos na internet diversos textos sobre como fazer a declaração de IR, quem está isento, como tirar as dúvidas, o que não fazer, quais os prazos etc.

Este texto foge um pouco da parte “braçal” da declaração e vai focar na importância dela para o Planejamento Financeiro de uma pessoa ou família.

leão amigo

O leão pode ser nosso amigo.

A declaração de ajuste anual do imposto de renda é o momento em que o contribuinte pode se acertar com a Receita Federal declarando o que teve de recebimentos tributáveis, ou seja, o que teve de renda no ano anterior e quais seus bens/patrimônio até o último dia do ano anterior, entre outras informações.

Quando feita corretamente essa é a demonstração mais fiel da atual situação financeira e patrimonial de um indivíduo, pois, como foi falado anteriormente, constam todos os ganhos recebidos e também a situação dos bens e aplicações. Caso essa não seja a primeira declaração da pessoa podemos inclusive fazer uma análise ano a ano de como anda o crescimento patrimonial dela, teve um aumento ou diminuição? E a composição agora tem mais investimentos ou mais bens móveis e imóveis?

size_590_pensar-dinheiro

Evite delegar para alguém o preenchimento de sua declaração, pois nesse momento em que nos deparamos com nossos ganhos e gastos muitas reflexões interessantes podem ser feitas. Não raro chego a ver muitos clientes neste momento refletirem sobre: “ganhei tanto dinheiro ano passado e não acumulei quase nada, onde será que gastei esses recursos?” e é esse tipo de pensamento que traz consciência às pessoas para começar a acompanhar seus gastos mais de perto ou repensá-los se não estiverem de acordo com seus objetivos.

Para ajuda-los a definir seus objetivos recomendo a leitura do texto sobre orçamento pessoal.

Abraços!

Lucas Madaleno

IPTU e IPVA – Como se Planejar para os Pagamentos deles?

Você sabia que somente algumas pessoas são sorteadas para pagar o IPTU (imóveis) e o IPVA (veículos) anualmente? É isso mesmo, nem todos são obrigados a pagar esses impostos, você sabia disso? Se você recebe todos os anos essas cobranças deve estar se sentindo a pessoa mais azarada do mundo.

se-bater-na-madeira-afasta-o-azar

Como você deve ter percebido as informações acima não são verdadeiras. Todos que possuem ou alugam um imóvel devem pagar o IPTU e todos que possuem um automóvel devem pagar o IPVA. Estes impostos são pagos anualmente e a cobrança normalmente vem no começo do ano.

Mas se esses impostos são obrigatórios e sabemos que todo ano teremos que pagá-los, porque sempre nos desorganizamos financeiramente quando eles chegam? Os valores do IPVA e IPTU normalmente variam muito pouco de um ano para outro, podemos ter uma ideia muito próxima do que teremos que pagar no ano seguinte com base no imposto do ano atual.

IPTU-IPVA-Duvidas-Dominus-Auditoria

Se conseguimos ter uma ideia do valor a ser pago, temos como nos preparar para não nos desorganizarmos todo começo de ano? Sim!!!! Com base no valor do imposto atual podemos dividi-lo por 12 e guardar essa parcela mensalmente por um ano, recebendo juros sobre o investimento e no ano seguinte teremos um valor muito próximo ao que iremos pagar (se mantivermos o mesmo bem ou se comprarmos um com valor muito próximo). O valor dos impostos podem ser um pouco maiores ou menores, mas com a estratégia acima podemos pagar o imposto à vista com desconto e o impacto financeiro será muito menor.

Exemplo: IPTU de R$1.200,00, dividindo este valor por 12 temos uma parcela mensal de R$100,00. Guardando este valor na caderneta de poupança (0,5% ao mês de juros) teremos aproximadamente R$1.233,55.

E aí, hoje é possível para você fazer essa poupança mensal? Ainda este mês postarei algumas informações para ajudá-lo a escolher a melhor forma de pagar o IPVA e o IPTU, à vista ou parcelado?

Abraços!

Lucas Madaleno