Nos Endividamos pelo Salário Bruto, mas Pagamos com o Salário Líquido

Você já deve ter ouvido em alguma instituição financeira que o máximo permitido para que uma pessoa se endivide com, por exemplo, um financiamento imobiliário é de 30% de seu salário. O que normalmente não é explicado é que essa porcentagem acaba sendo, na prática, maior que 30. Por que isso acontece?

O salário que é considerado em análises de crédito é o bruto e o pagamento das parcelas acaba ocorrendo pelo salário líquido.

Salário bruto é aquele registrado em carteira de trabalho, é o seu salário integral, ainda sem nenhum tipo de desconto. Exemplo: recebi uma proposta para receber R$4.000,00 registrados em carteira de trabalho, esses R$4.000,00 são seu salário bruto.

Salário líquido é aquele valor no qual já foram descontados os impostos e contribuições devidos, como por exemplo, o INSS, o Imposto de Renda, a contribuição sindical ou assistencial entre outros. Exemplo: para o mesmo salário de R$4.000,00, segundo o site Calculador, o valor a ser recebido já descontados os impostos seria de R$3.380,80.

cálculo salário

Clique na imagem para amplia-la. Fonte: Calculador

Quando uma pessoa vai a uma instituição buscando um financiamento o cálculo feito é que a parcela máxima que a pessoa pode pagar é de 30% de R$4.000,00, ou seja, R$1.200,00, mas como o valor que efetivamente a pessoa recebe é de R$3.380,80 esses R$1.200,00 representam aproximadamente 35,5% do salário líquido.  35,5% = (1200 / 3380,80) x 100.

O endividamento é de aparentemente 30%, mas acaba sendo efetivamente de 35,5%.

Se fossemos considerar apenas o salário líquido a parcela máxima a ser assumida, neste caso, poderia ser de R$1.014,24. R$1.014,24 = 30% x 3.380,80.

Assumir uma dívida extensa como um financiamento imobiliário, que pode chegar a 35 anos, sem ter esses números claros pode ser realmente perigoso. Eu acredito estar pagando um tanto do meu salário quando na verdade estou comprometendo mais do que parece.

financiamento imobiliário

Essa diferenciação entre porcentagens de salário bruto e líquido não envolve só a parte de financiamentos. Você já ouviu algum consultor financeiro dizendo para as pessoas guardarem 10% de suas rendas? E aí, você deve guardar 10% do salário bruto ou líquido?

E no caso de contribuições que fazemos em prol de instituições de caridade, igrejas, templos etc. Devemos considerar o salário bruto ou o líquido para calcular essa contribuição?

Minha recomendação é que você utilize o valor que efetivamente entra em sua conta para não acreditar que esteja contribuindo ou pagando menos do que realmente está. Suas finanças agradecem.

Abraços!

Lucas Madaleno

Qual o melhor dia da semana para acompanhar suas finanças?

Não vou mentir para você, montar um orçamento pessoal ou familiar ou atualizá-lo não é a coisa mais legal do mundo para quem faz e não é porque trabalho com planejamento financeiro pessoal que vou dizer o contrário e tentar te convencer que isso é divertido. Fazer um controle de suas contas normalmente não é legal, mas é necessário. Necessário por quê?

Necessário para que possamos ter uma visão mais clara de como estão nossas contas, se estamos gastando com o que realmente é importante para nós, se estamos gastando mais que ganhamos e precisamos fazer alguns ajustes ou se temos uma sobra para investir em outros objetivos.

lupa

Já que acompanhar as contas não é a coisa mais legal do mundo, precisamos ter certo cuidado com o dia da semana em que faremos esse acompanhamento, concorda? Dependendo de nosso humor no dia o orçamento pode cair como uma bomba.

Pensando nisso montei a relação abaixo para ajuda-lo a planejar qual o melhor dia da semana para você fazer seu acompanhamento financeiro. Na relação vou usar três cores:

Vermelho – Não recomendo este dia / Amarelo – Recomendo com restrições / Verde – Aproveite este dia e faça seu orçamento!

Domingo – Síndrome do Fantástico. Muitas pessoas ouvem a música do programa e ficam muito tristes com o começo da semana e com a volta à rotina de trabalho, recomendo fortemente não fazer o orçamento neste dia;

Segunda-feira – Início da semana, “ranço” do final de semana, costuma ser um dia arrastado para a maioria das pessoas. Não recomendo que este dia seja escolhido para realizar o controle de suas finanças;

Terçafeira – Dia neutro e interessante para alguns, mas ainda próximo à segunda-feira para outros. Se você não se incomodar com essa proximidade, a terça é um dia bem tranquilo para atualizar seu controle financeiro;

Quarta-feira – Dia ideal para alguns. O meio da semana seria um excelente dia para todos fazermos nosso orçamento, porém, também é conhecido como a noite do futebol brasileiro na televisão e para quem torce e gosta de futebol não recomendo fazer seu orçamento neste dia, principalmente se seu time estiver próximo à zona de rebaixamento;

Quinta-feira – Para mim, o melhor dia da semana para montar, atualizar e acompanhar suas finanças. É um dia próximo ao final da semana (vamos atualizar as contas para saber quanto posso gastar no happy hour de sexta? Ou na balada do sábado?), longe da segunda-feira, o futebol já passou e você já sabe se seu time foi bem ou mal. Recomendo fortemente usar a quinta-feira com esse propósito;

Sexta-feira – Você começa a entrar em outro ritmo, é um dia em que o descanso semanal se aproxima para alguns, happy hours são marcados. Não recomendo a sexta;

Sábado – Início do descanso semanal para muitos, dia de por algumas pendências em ordem para outros, dia de curtir a ressaca de sexta. Não vejo muito sentido em fazer o controle neste dia, mas para algumas pessoas acaba sendo um dia interessante para isso, pois acabam tendo o domingo para descansar;

E aí, qual seu dia “preferido” para atualizar suas finanças?

Abraços!

Lucas Madaleno

O que Podemos Aprender sobre Finanças com a Marvel?

Você sabia que as histórias em quadrinhos que deram origem aos filmes dos X–Men e do Quarteto Fantástico que foram lançados há pouco tempo pela 20th Century Fox ou do Homem-Aranha lançado pela Sony Pictures na verdade são da Marvel? Cabe aqui a pergunta: se as histórias são da Marvel, porque não foi a própria quem lançou esses filmes assim como ela fez com tantos outros personagens como: Homem de Ferro, Capitão América, Os Vingadores, Thor etc?

heroes

A Marvel teve origem entre as décadas de 30 e 40 e passou por muitas fases positivas e negativas desde então. Durante a segunda grande guerra lançou o personagem do Capitão América como símbolo do patriotismo americano e garantiu a venda de alguns exemplares a mais, passou por crises criativas entre 50 e 60, teve ações negociadas na bolsa de Nova Iorque no final da década de 80 e passou por uma crise de confiança do mercado no início da década de 90.

Em 1997 a Marvel apresentava sinais de falência e a solução encontrada por seus sócios para levantar recursos foi a de vender os direitos cinematográficos de alguns dos principais personagens da Marvel (citados no primeiro parágrafo) para outras empresas para que estas pudessem utilizar esses personagens em seus filmes e lucrar com isso.

marvel-movie-rights-marvel-just-quietly-deployed-the-nukes-in-its-war-with-fox-png-156493

Para saber como ficou a divisão dos direitos sobre os personagens clique na imagem acima.

A Marvel ganhou uma sobrevida e deu prosseguimento com suas histórias em quadrinhos. Em 2008 lança o primeiro filme do Homem de Ferro e dá início à chamada 1ª fase da Marvel nos cinemas (em 2015 teve início a 3ª fase). Em 2009 a Walt Disney Company (a Disney) comprou a Marvel por 4 bilhões de dólares.

“Ok, entendi a história e o final feliz, mas como isso se aplica às minhas finanças?” Em um momento de grande aperto financeiro a Marvel vendeu alguns de seus principais bens para poder ter uma sobrevida e com as pessoas não é diferente.

Há momentos em que não vemos saída para nossas finanças. Podemos e devemos tentar encontrar coisas que não usamos para vender e levantar o máximo de dinheiro possível. Que coisas podemos vender? Roupas, calçados, livros, aparelhos eletrônicos, carros, imóveis etc. Opa, espera aí, vender carros e imóveis?

casa venda

Sim, a venda de um bem de valor mais alto como um imóvel irá representar o levantamento de dezenas de milhares de reais que te ajudarão a quitar várias dívidas (e quem sabe ainda sobre um valor?) e caso o bem esteja financiado, deixamos de ter uma parcela fixa que ainda pagaríamos por muitos anos.

“Lucas, mas a venda de um imóvel vai me fazer voltar pro aluguel, dar um “passo para trás”, perder algo conquistado com tanto sacrifício” Você pode estar pensando isso e não tiro sua razão. Realmente não é fácil dar esse passo, mas peço uma reflexão: será que a manutenção deste imóvel ou do carro é o melhor para suas finanças neste momento?

dinheiro completo

Não defendo que sempre que haja um problema financeiro nós vendamos nossos bens, com certeza há outros passos anteriores a este como:

Em casos extremos devemos tentar todas as possibilidades para sair do endividamento e se você enxergar que vender um carro ou um imóvel seja a melhor solução para suas finanças faça como a Marvel e garanta sua sobrevivência hoje. Dê um passo para trás, coloque a casa em ordem e conquiste tudo novamente (ou até mesmo mais coisas que antes) de forma sustentável e organizada.

Pensem nisso!

Abraços!

Lucas Madaleno

Como você está lidando com a crise?

Alguns assuntos tem entrado constantemente nas pautas dos jornais, telejornais e redes sociais e sem dúvida os que mais tem assustado os brasileiros envolvem as notícias sobre a crise que o Brasil tem sofrido e suas consequências: baixo crescimento do PIB brasileiro, aumento no desemprego, inflação batendo recordes de alta etc.

Vamos começar uma reflexão: Como você está lidando com esta crise? Aliás, existe crise?

Crise

Seguem abaixo duas histórias de autores desconhecidos que nos ajudarão a pensar sobre nossa situação:

1 – “Uma indústria de calçados desenvolveu um projeto de exportação de sapatos para a Índia. Em seguida, mandou dois de seus consultores a pontos diferentes do país para fazer as primeiras observações do potencial daquele futuro mercado.

Depois de alguns dias de pesquisa, um dos consultores enviou o seguinte fax para a direção da empresa:

“Chefe, cancele a produção, pois aqui ninguém usa sapatos.”

O segundo consultor mandou à direção da empresa a seguinte observação:

“Chefe, triplique a produção, pois aqui ninguém usa sapatos.””

centopeia

2 – “Um homem vivia à beira de uma estrada e vendia cachorros-quentes, ele produzia e vendia os melhores cachorros-quentes da região.
Preocupava-se com a divulgação do seu negócio e colocava cartazes pela estrada, oferecia o seu produto em voz alta e o povo comprava e gostava. As vendas foram aumentando e cada vez mais ele comprava o melhor pão e as melhores salsichas.
Um dia seu filho, já formado, voltou para casa e notou que o pai continuava com a vida de sempre, vendendo cachorros-quentes feitos com os melhores ingredientes e gastando dinheiro em cartazes, e teve uma séria conversa com o pai:

– Pai, há uma grande crise no mundo. A situação do nosso País é crítica. Há que economizar!

cachorro triste
Depois de ouvir as considerações do filho Doutor e com medo da crise, o pai procurou um fornecedor de pão mais barato e pior. Começou a comprar salsichas mais baratas e piores. Para economizar deixou de mandar fazer cartazes para colocar na estrada.
Tomadas essas ‘providências’ as vendas começaram a cair e foram caindo, caindo até chegarem a níveis insuportáveis. O negócio de cachorros-quentes do homem, que antes gerava muitos recursos, faliu.
O pai, triste, disse ao filho: – Estavas certo filho, nós estamos no meio de uma grande crise.
E comentou com os amigos, orgulhoso: – Bendita a hora em que pus o meu filho a estudar economia, ele é que me avisou da crise…”

Os textos por si só já seriam suficientes para percebermos que as pessoas lidam com a crise (recessão econômica como prefiro chamar) de formas diferentes. Ela irá afetar mais negativamente os que se sentem pessimistas e não enxergam as chances de fazermos coisas diferentes que se apresentam em momentos como estes.

Uma recessão econômica nada mais é que a oportunidade de construirmos oportunidades.

crise em chinês

 

Obs: A palavra crise em chinês é composta por dois ideogramas (letras). Um significa Perigo e o outro Oportunidade.

Podemos obter uma renda a mais e começar a lapidar um talento antes escondido para gerar essa renda, podemos talvez economizar com restaurantes para fazer um jantar diferente em casa e surpreender as pessoas próximas a nós. Ainda é possível rever alguns hábitos de consumo de água, luz e outros recursos. Será que você assiste a maioria dos canais de seu pacote de TV por assinatura? Será que você consome todos os alimentos comprados no supermercado ou constantemente joga alguns fora?

Aproveite este momento para colocar a casa em ordem e criar oportunidades. A forma como você irá passar por essa recessão é uma escolha sua.

Pense nisso!

Abraços,

Lucas Madaleno

Quanto tempo faz que você não paga por uma roupa?

Quantas vezes por mês ou por ano você entra em uma loja para comprar roupas? E quantas vezes por ano você paga por essas roupas? Ficou confuso com essa segunda pergunta? Vou explica-la neste texto.

No texto sobre Torcedores de Fatura falo sobre como controlar e usar de forma consciente o cartão de crédito e é comum ouvir em alguns atendimentos meus clientes dizerem que não costumam comprar roupas e/ou sapatos frequentemente e quando vamos analisar seus hábitos mensais e anuais isso acaba sendo realmente comprovado.

carteira_cadeado

As compras acabam sendo feitas a cada dois ou mais meses dependendo da pessoa/família e em alguns casos essas compras são feitas apenas uma vez por ano, porém, essas compras acabam sendo parceladas e mesmo que a pessoa não entre em lojas todos os meses, ela acaba pagando por essas roupas todos os meses.

Exemplo: Cláudio compra roupas a cada três meses e normalmente parcela suas compras em três vezes. Em sua última compra em Abril ele gastou R$180,00 e vai pagar R$60,00 (R$180,00 dividido por 3) em Maio, Junho e Julho. Se ele mantiver essa média e for comprar outras roupas em Julho, terá parcelas a pagar em Agosto, Setembro e Outubro mantendo assim o ciclo de todos os meses ter alguma parcela relativa às roupas para pagar.

camiseta cortada

Camiseta parcelada em algumas vezes. Ela só estará inteira quando você terminar de paga-la =)

Como a ação de adquirir roupas e/ou sapatos não ocorre sempre, as pessoas normalmente não se lembram de incluir esses itens em seu orçamento mental (contas que são feitas para saber onde estamos gastando), mas as parcelas são importantíssimas para identificar para onde estão indo seus recursos.

Outros itens com os quais também ocorre a mesma situação são: Seguro de carro, IPVA, Presentes, Viagens e até mesmo o Lazer. Como a cada mês gastamos valores diferentes com lazer, esse item acaba não entrando no orçamento inicial da maioria das pessoas por não ser um gasto fixo. Eu diria que o lazer é um gasto fixo, porém, com valores variáveis. Faz sentido?

calendário

Normalmente nos lembramos da primeira e segunda parcelas das compras que fazemos, as próximas acabam sendo esquecidas e fazemos novas parcelas que se acumulam e tornam o item “parcelas” significativo em nosso orçamento. Se hoje não sobra dinheiro para você, busque em seu cartão de crédito ou em seu talão de cheques os parcelamentos existentes, certamente você encontrará alguns motivos para hoje não haver a sobra que você deseja.

E você, faz um acompanhamento de suas parcelas? Quanto tempo faz que você não paga por uma roupa?

Abraços!

Lucas Madaleno

Fatura de Cartão de Crédito e o Futebol – Não Seja um Torcedor

Como você lida com seu cartão de crédito? Você é um verdadeiro torcedor de futebol de sua fatura?

Não entendeu a expressão “torcedor de futebol de fatura”? Vou explica-la no texto de hoje.

cartão de crédito

Obs: A imagem acima não representa qualquer preferência do autor do texto ao banco representado ou à bandeira do cartão.

Nos atendimentos que faço, é bastante comum ouvir expressões do tipo “meu gasto com cartão de crédito é alto”, “este mês o cartão veio mais alto que o esperado”, “passei um pouco nos gastos com cartão”.

Quando vamos a uma loja, nos são oferecidas basicamente quatro formas de pagamento: dinheiro, cartão de débito, cheque e cartão de crédito, ou seja, o cartão foi o meio de pagamento utilizado e não a despesa em si. Ficou confuso? Explico com um exemplo: fui comprar uma camisa em uma loja e paguei com o cartão de crédito, meu gasto na verdade foi com roupas/vestuário e o cartão foi o meio que escolhi para poder paga-la.

pagamento cartão

E o futebol nessa história?

O cartão de crédito é um meio de pagamento muito bom quando bem utilizado, pois te permite enxergar seus gastos em um único demonstrativo (fatura), você pode acumular milhas e pontos que podem ser trocados por uma infinidade de coisas, mas pode se tornar um verdadeiro transtorno quando deixamos de pagar sua fatura ou quando a pagamos parcialmente.

No texto “Por que Montar um Orçamento Pessoal?” falo sobre a importância de as pessoas terem seu orçamento organizado para alcançar seus sonhos/objetivos e quando não acompanhamos a fatura do cartão nos tornamos verdadeiros torcedores fanáticos.

Quando a fatura vem abaixo do que esperávamos é como se fosse um gol do nosso time do coração, quando a fatura vem pouco acima é como se fosse um empate “Ah! Podia ser pior vai”, mas quando ela vem bem acima é como se levássemos uma goleada no estilo Alemanha 7 x 1 Brasil (Copa do Mundo de 2014).

palmeiras-torcida

Obs: A imagem acima representa o time de coração do autor deste texto.

Não seja um “torcedor de fatura”. Para não termos esse tipo de surpresa acompanhe de perto seu time, faça um controle dos gastos que virão em sua próxima fatura e saiba de quanto será o pagamento e se programe para ele.

O Brasil só poderá se recuperar do vexame sofrido 4 anos depois em uma próxima Copa do Mundo, será que o mesmo vai acontecer com suas finanças?

Abraços!

Lucas Madaleno

Como suas Escolhas Afetam suas Finanças?

Você já parou para pensar sobre como suas escolhas de hoje afetarão suas finanças no futuro?

Ouvi uma vez um texto lido pelo Max Gehringer de um ouvinte chamado Sérgio, 61 anos, em que ele fala sobre ter gasto seu dinheiro com prazer ao longo da vida e hoje não ter um centavo guardado, mas ter sido feliz. O nome (perigoso em minha opinião) usado para divulgar este texto é “viver ou juntar dinheiro”.

dois caminhos

Acredito que a falta de contexto ou de uma introdução a este texto torna a interpretação dele perigosa.

O Sérgio em questão ressalta que se ele tivesse juntado dinheiro, “deixando de viver e de comprar seus cafezinhos e pizzas”, hoje ele usaria esse dinheiro para fazer tudo o que não fez, mas com mais idade.

Sérgio só esqueceu-se que a falta de planejamento dele ou de se fazer uma reserva para o futuro pode ter como consequência uma aposentadoria com restrições ou ter que trabalhar por muitos anos ainda para manter seu padrão de vida atual. Caso ele seja um profissional que ama o que faz e seu corpo e mente estejam aptos a continuar atuando, ótimo! E se a profissão dele exigir um dinamismo ou atenção que ele não consiga mais acompanhar? Como será seu futuro?

O pensamento do Sérgio poderia ter sido diferente e ele tem uma terceira opção nesta história. A terceira opção que proponho é viver e juntar dinheiro.

três caminhos

Tenho um porém para acrescentar a esta frase. Viver e juntar dinheiro, porém, juntar dinheiro pensando em diversos objetivos, coisas a serem atingidas e que façam sua vida mais completa e feliz.

No texto sobre Sonhos e Dívidas oriento que as pessoas “Sonhem com detalhes, se imaginem realizando este sonho. Quando estipulamos um valor para o sonho ele vira um objetivo, quando estipulamos um prazo para atingi-lo ele vira uma meta e sabendo qual será o destino, onde quero chegar, consigo imaginar melhor um caminho eficiente para atingir minha meta e coloca-lo em prática”.

Busque o equilíbrio que a equação a seguir propõe: C + V + P = QV (Consumir + Viver + Poupar = Qualidade de Vida).

equilibrio

Pensem nisso!

Abraço!

Lucas Madaleno

Antecipação da Restituição de Imposto de Renda

Você já declarou o Imposto de Renda (IR) ou está preenchendo sua declaração e descobriu que tem direito a receber parte do IR que foi recolhido no ano anterior. Que ótima notícia!!

E se por algum motivo você não pode ou não quer esperar para receber sua restituição e deseja antecipar, é possível? Se sim, quais os custos, quais cuidados tomar e em que situação pode ser vantajosa a antecipação?

imposto-de-renda

Sim, é possível antecipar até 100% da restituição do IR usando uma linha de crédito (empréstimo) específica para isso. Na hora da contratação o cliente deve apresentar o recibo da declaração onde consta que ele terá um valor a ser recebido e de quanto será esse valor.

Esta linha permite que o cliente receba na data atual o valor que receberia somente quando houvesse a restituição. Por essa “antecipação” o cliente pagará juros, mas por haver uma garantia vinculada ao empréstimo (restituição do IR), o banco consegue oferecer taxas mais vantajosas em relação a outras linhas de crédito (leia mais sobre a relação Custo x Garantias neste texto).

Enxergo que há apenas uma situação em que pode ser vantajosa a antecipação, quando o cliente tenha outros empréstimos em que pague juros maiores. A antecipação servirá neste caso para substituir uma dívida mais cara por uma mais barata e com um prazo mais curto para terminar (quando há o recebimento da restituição o pagamento integral do empréstimo é efetuado) já que as restituições de IR, via de regra, ocorrem no mesmo ano em que ocorrem a declaração. Exemplo: se declarei em Abril/2014 meu IR, devo receber até Dezembro/2014 a restituição.

dividas

Atenção!! Antes de ir ao seu banco buscar a antecipação de seu IR, certifique-se que está tudo correto com sua declaração, pois se ela cair na malha fina você terá que arcar com o pagamento do valor do empréstimo sem contar com a restituição e acabará contraindo uma dívida a mais.

Este texto não representa de forma alguma uma recomendação do autor para que os leitores antecipem sua restituição do IR, este é apenas um texto informativo.

Abraços!

Lucas Madaleno

O que Fazer para Ganhar mais Dinheiro?

Sempre que atendo um indivíduo ou família que possui dívidas ou dificuldades para pagar as contas do mês recomendo que eles busquem formas de ganhar mais dinheiro (explicarei essa recomendação em um próximo texto) para equilibrar suas contas e/ou pagar suas dívidas mais rapidamente.

As possibilidades que ouço das pessoas/famílias envolvem quase sempre seus próprios empregos: fazer horas extras, trocar de emprego para ganhar mais, buscar uma promoção etc.

hora-extra7

Através da história que vou escrever abaixo gostaria de ampliar a visão de vocês sobre como podemos obter rendas extras de maneira criativa.

O taxista.

Durante as corridas de táxi gosto de conversar com os taxistas. Ouvir suas histórias pessoais ou de outras pessoas. Já aprendi muito durante os trajetos.

O motorista que encontrei nesse dia me disse que tinha começado na profissão há um mês. Perguntei o que ele fazia antes e para minha surpresa ele respondeu: “eu ainda trabalho em outro lugar, sou bancário.”

Achei curioso, essa era a primeira vez em que me sentava em um táxi de alguém que tinha uma outra ocupação ou que o táxi fosse sua segunda ocupação. A história seguiu:

“Moro na Zona Leste de São Paulo e trabalho em uma agência que fica na Zona Sul, a distância entre elas é bastante grande e o gasto com gasolina estava ficando muito alto.

Acabei comprando um táxi para poder, na volta do trabalho para minha casa, pegar algumas corridas e com o dinheiro dessas corridas pagar a gasolina e quem sabe tirar um dinheiro a mais no final do mês.”

criatividade

Criatividade.

Comentei com ele que o trânsito para a volta da casa dele deveria ser bastante carregado, pois, ele praticamente atravessa a cidade para ir e voltar do trabalho e a solução encontrada pelo taxista foi bastante criativa: “na volta dou carona para alguns amigos que moram no meio do caminho entre o trabalho e minha casa e com isso posso andar pelos corredores de ônibus e fazer esse trajeto mais rapidamente”.

Lições. O que podemos aprender com essa história?

Quando o bancário se viu em dificuldades para pagar suas contas, neste caso, a gasolina para ir trabalhar ele buscou uma alternativa diferente, criativa e fora do padrão.

fora da caixa

Convido vocês a fazerem o mesmo, pensem fora da caixa, ampliem suas visões. Quando buscarem formas de ganhar mais dinheiro (pela motivação que for) pensem no que vocês são bons e que podem gerar rendas extras. Vocês tem um hobby que pode ser monetizado? Vocês cozinham bem? O que fazem de melhor na cozinha? E o que está impedindo que vocês cobrem pelo que fazem?

Pensem nisso!

Abraços,

Lucas Madaleno

Qual a Importância da Declaração de Imposto de Renda?

A partir do dia 02 de Março foi liberado o envio das declarações de ajuste anual de Imposto de Renda (IR) de pessoa física. Desse dia em diante até o final de Abril temos na internet diversos textos sobre como fazer a declaração de IR, quem está isento, como tirar as dúvidas, o que não fazer, quais os prazos etc.

Este texto foge um pouco da parte “braçal” da declaração e vai focar na importância dela para o Planejamento Financeiro de uma pessoa ou família.

leão amigo

O leão pode ser nosso amigo.

A declaração de ajuste anual do imposto de renda é o momento em que o contribuinte pode se acertar com a Receita Federal declarando o que teve de recebimentos tributáveis, ou seja, o que teve de renda no ano anterior e quais seus bens/patrimônio até o último dia do ano anterior, entre outras informações.

Quando feita corretamente essa é a demonstração mais fiel da atual situação financeira e patrimonial de um indivíduo, pois, como foi falado anteriormente, constam todos os ganhos recebidos e também a situação dos bens e aplicações. Caso essa não seja a primeira declaração da pessoa podemos inclusive fazer uma análise ano a ano de como anda o crescimento patrimonial dela, teve um aumento ou diminuição? E a composição agora tem mais investimentos ou mais bens móveis e imóveis?

size_590_pensar-dinheiro

Evite delegar para alguém o preenchimento de sua declaração, pois nesse momento em que nos deparamos com nossos ganhos e gastos muitas reflexões interessantes podem ser feitas. Não raro chego a ver muitos clientes neste momento refletirem sobre: “ganhei tanto dinheiro ano passado e não acumulei quase nada, onde será que gastei esses recursos?” e é esse tipo de pensamento que traz consciência às pessoas para começar a acompanhar seus gastos mais de perto ou repensá-los se não estiverem de acordo com seus objetivos.

Para ajuda-los a definir seus objetivos recomendo a leitura do texto sobre orçamento pessoal.

Abraços!

Lucas Madaleno